O que é a fascite plantar e como a acupuntura pode ajudar


 

A fáscia plantar é uma faixa de tecido conjuntivo que se estende da base do osso calcâneo (calcanhar) por toda planta do pé. É uma banda fibrosa e firme que sustenta e mantém o arco plantar de pé. A fascite plantar é um distúrbio doloroso muito comum que afeta o calcanhar e a planta do pé. Aproximadamente 10% das pessoas desenvolvem fascite plantar em algum momento da vida. Geralmente está associada à obesidade, ao trabalho por ficar em pé longos períodos, pés planos ou cavos, falta de atividade física, distúrbio de pisada durante a prática esportiva, diferença significativa de comprimento dos membros inferiores, esporão de calcâneo, encurtamento do tendão de Aquiles e ainda o uso de calçados impróprios.

 

Trata-se de uma desordem no local de inserção dos ligamentos no osso e se caracteriza pela cicatrização, inflamação ou destruição estrutural degenerativa da fáscia plantar do pé. É frequentemente causada pela lesão por esforço repetitivo da fáscia plantar, que se intensifica quando não há amortecimento de impacto, e piora com o exercício físico, o peso ou a idade. Costuma ter início insidioso, sem relação com trauma. Em geral, a dor é pior pela manhã, logo aos primeiros passos, e o paciente refere incapacidade para apoiar o pé no chão, já que a sustentação de peso aumenta a pressão sobre a fáscia e comprime a região afetada. A dor é sentida como em “facada”, na borda frontal inferior do osso do calcanhar, e tende a diminuir ao caminhar, tornando-se maçante durante todo o dia. O arco do pé é muito tenso e sensível à digitopressão, assim como a borda interna da almofada do calcanhar. Eventualmente, nota-se a presença de edema leve e eritema na região afetada.

 

O diagnóstico é essencialmente clínico e tem como base história e exame físico. Os exames de imagem ajudam a fazer o diagnóstico diferencial. O tratamento preconizado é conservador e, além da analgesia, é principalmente voltado para a eliminação da causa e dos fatores agravantes.

Há um número limitado de estudos científicos que analisam o uso da acupuntura no tratamento de distúrbios do pé. Existem evidências de que o tratamento com acupuntura traz benefícios consideráveis no alívio da dor, combinado ou não com o tratamento convencional¹. A maioria dos estudos indica que a eletroacupuntura é mais eficaz que a padrão: os resultados podem ser mais rápidos e duradouros.

 

Uma revisão publicada em 2017 indica que o tratamento é seguro e eficaz, reduzindo a dor a curto prazo (quatro a oito semanas), mas não existem evidências de que o tratamento seja eficaz a longo prazo².

Para a Medicina Tradicional Chinesa, o quadro tem origem no acúmulo de frio e umidade na região dolorida, associado à má circulação de sangue e energia nos locais afetados. Na prática clínica utilizamos pontos locais para analgesia, pontos à distância que têm ação específica para a patologia e pontos que tratam a condição básica causadora da doença. O tratamento é feita uma ou duas vezes por semana, e o paciente costuma sentir alívio da dor por um período curto logo ao final da sessão, alívio este que vai com o passar do tempo durar períodos cada vez mais longos. É preciso reforçar a necessidade de seguir o tratamento convencional voltado para o cuidado com o peso, os calçados e o alongamento, além das recomendações próprias da Medicina Tradicional Chinesa. Infelizmente todo o suporte terapêutico oferecido não é capaz de evitar a recorrência do quadro doloroso caso não sejam feitas as modificações necessárias.

 

Fonte.